Skip navigation

Category Archives: textos

– esteja em casa, porta livre, porteira aberta – lume no chão e vida no coração, todo sujeito é um amigo, todo amigo é um irmão, de caminhada, de luz e escuridão, somos todos cegos da vida na saudade de sua própria paixão…

– Grato e livre adentro! Vida na veia, esperança na frente e a história na boleia; na prosa do amigo, a alma se alumeia e alegre serpenteia pelos campos do porvir a que semeia.

– a galope, taco em riste, bola branca,braço forte, pois que o bagual se cansa, isso termina e quando se vê, já foi, já era, por-tanto- tanto pensado, tanto esforçado, perda de tempo- vale mais o senso de que se é o que se deseja, não o que se almeja…porque isso muda demais…

– do que foi e que revela a cada instante tudo o que é, que descerra e que se torna, o ciclo, expansão de si, senso do que se é, espelho do que se deseja, semente que auto-semeia, eis que nada almeja.

—————————————
Diálogo entre Osmar e eu, via scrapbook
maio 2005

Anúncios

Pois é!
Pois não é que é!?
É??
Só é!
É ué.
Pois: é.
Se é, é.
É!
Pois só é o que se é.
Só se é o que se é.
Se não, não é.
O que não se é, não é.
Não se é o que não é.
Só o que se é, é o que se é.
Né?

Tão natural e tão dolorosa.
Contradição elementar, hiato instantâneo.

Nos consome,
atordoa, maltrada.
Nos faz chorar
interiorizar, pensar.
Nos faz lembrar,
sorrir, sentir.
Nos torna sensível à vida.
À existência da vida.

—-
Escrito em 24/03/2004 21:00

O que será que será?
O que será que me dá?
O que será que será???
O que se será que se há?
O que será, o que será??
O que será é o que há.
E o que será o que se há?
Será que se há? Será que será?
O que será que me dá?
Se há de ser o que será,
o que será que se há?

No escuro da noite
vejo sombras.
Improváveis sombras,
possíveis sobras.
Palpáveis sombras
de invisíveis luzes.
Deitado, insone, penso.
Como sempre insone,
como sempre mente,
noite após noite.
Num minuto uma hora,
Num segundo outra hora.
Aurora. Luz. Adormeço.